Domingo, 28 de Fevereiro de 2021 15:41
63 9 8473 3732
Polícia Militares em Colinas

MPTO recomenda que Estado disponibilize 270 policiais militares para Colinas

O que se ouve diuturnamente pelas ruas é a reclamação da população que, quando aciona a Polícia Militar, tem que aguardar tempo além do razoável para ser atendida”, disse a promotora de Justiça.

02/02/2021 08h44 Atualizada há 4 semanas
134
Por: Redacão Fonte: MPE/TO.
MPTO recomenda que Estado disponibilize 270 policiais militares para Colinas

Em decisão proferida nesta segunda-feira, 01, a Justiça determinou que o Estado do Tocantins promova, no prazo de 90 dias, a lotação de 270 policiais militares na 3ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) de Colinas do Tocantins  e que disponibilize pelo menos dois veículos altos e com tração 4x4, destinado ao patrulhamento de áreas rurais e vicinais. A determinação atende ao pedido contido em Ação Civil Pública (ACP) ajuizada pelo Ministério Público do Tocantins, no ano de 2016.

 

Na ação, o MPTO alegou a precária situação da segurança pública na Comarca, bem como o evidente abandono da 3ª CIPM pelo Estado, no que se refere ao efetivo e às condições de trabalho, já que a companhia contava com menos da metade do efetivo necessário ao desempenho das atividades policiais, ou seja, 96 homens, quando seriam necessários 270. “ O que se ouve diuturnamente pelas ruas é a reclamação da população que, quando aciona a Polícia Militar, tem que aguardar tempo além do razoável para ser atendida”, disse a promotora de Justiça.

 

A promotora de Justiça expôs na ACP que do total de 3.177 policiais do Estado, um quantitativo de 1.427, o que representa quase 50%, estão lotados na capital, parte no Quartel do Comando-Geral e os demais nos 1º e 6° batalhões de Palmas. “Conclui-se que há concentração de pessoal na capital do Estado, em prejuízo do número de policiais militares necessários à manutenção da ordem pública nas cidades do interior, acarretando sobrecarga de trabalho para os militares lotados no interior e precária prestação da segurança pública”, afirmou na decisão o juiz de direito da 1ª Vara Civil de Colinas, José Roberto Ferreira Ribeiro.

 

O  magistrado ainda determinou que o Estado se abstenha de reduzir o efetivo da CIPM, sob pena de aplicação de multa diária de R$ 10 mil, em caso de descumprimento da ordem. (Denise Soares)

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.