Quinta, 13 de Maio de 2021 22:51
63 9 8473 3732
Estado Bens bloqueados

Prefeito de Silvanópolis e empresário têm mais de R$ 1 milhão em bens bloqueados a pedido do MPTO

A ação civil pública que questiona os contratos foi proposta pela 5ª Promotoria de Justiça de Porto Nacional em março de 2021.

21/04/2021 10h49
123
Por: Redacão Fonte: MPE/TO.
Prefeito de Silvanópolis e empresário têm mais de R$ 1 milhão em bens bloqueados a pedido do MPTO

A Justiça acatou pedido do Ministério Público do Tocantins (MPTO) e deferiu medida liminar em que determina o bloqueio de R$ 1.159.720,00 em bens do prefeito de Silvanópolis, Gernivon Adão Pereira  Rosa, do empresário Emerson Pinto da Silva e da empresa Kakareco Auto Mecânica.


A liminar foi expedida em 11 de março e tem a finalidade de resguardar o eventual ressarcimento aos cofres públicos e o pagamento de multa, caso os réus venham a ser condenados em ação civil pública por ato de improbidade administrativa, na qual são questionados dois contratos firmados entre o Município de Silvanópolis e a empresa Kakareco Auto Mecânica.


Os dois contratos foram firmados nos meses de maio e junho de 2017, visando, respectivamente, a contratação de empresa para realizar a limpeza urbana em razão dos festejos de aniversário da cidade e a locação de um caminhão tipo basculante para ser utilizado na coleta de entulhos. Conforme apurou o Ministério Público, a segunda contratação sofreu sucessivas prorrogações e aditivos para autorizar a continuidade dos serviços nos anos seguintes, de modo que a empresa investigada recebeu dos cofres públicos a quantia de R$ 289.930,00, até o presente momento.


Também conforme apurou o MPTO, o proprietário da empresa contratada foi coordenador de campanha do prefeito Gernivon e os veículos disponibilizados para o serviço público não atendem às especificações do termo de referência que orientou o processo licitatório em 2017, no que se refere à potência de motor e às condições de uso, haja vista o elevado grau de precariedade dos veículos.

A ação civil pública que questiona os contratos foi proposta pela 5ª Promotoria de Justiça de Porto Nacional em março de 2021. (Flávio Herculano)

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.