Segunda, 24 de Janeiro de 2022
°

-

Polícia Prisão em Porto

Polícia Civil elucida morte de agricultor e prende suspeitos pelo crime em Porto Nacional

Crime ocorreu em 2018 quando o agricultor se envolveu em uma discussão com pessoas que estavam supostamente destruindo sua plantação de feijão.

17/12/2021 às 14h46
Por: Redacão Fonte: Governo do Tocantins
Compartilhe:
Polícia Civil elucida morte de agricultor e prende suspeitos pelo crime em Porto Nacional

Policiais Civis da 7ª Divisão Especializada de Repressão ao Crime Organizado (7ª DEIC), de Porto Nacional, coordenados pelo delegado-chefe da unidade, Túlio Pereira Motta, prenderam no final da tarde desta quinta-feira, um homem de iniciais J.C.E.S, de 48 anos e também uma mulher de iniciais Z.F.B, de 47 anos.

 Conforme apontaram as investigações da Polícia Civil, J.C.E.S. é acusado de ter assassinado com três tiros, o agricultor Martiliano Avelino Dias, conhecido por “Martin da Garapa” após uma discussão sobre uma plantação de feijão, fato ocorrido às margens de uma estrada de terra, no dia 29 de abril de 2018, na Zona Rural de Porto Nacional.

 

O crime

O crime gerou muita repercussão na região dos municípios de Porto Nacional e Monte do Carmo, levantando a discussão acerca da prevenção de conflitos agrários, uma vez que, segundo o apurado durante as investigações, Martiliano teria sido morto, após confrontar um grupo de pessoas que estaria destruindo sua plantação. De acordo com a autoridade policial, no momento em que falava com o suposto autor, Martin foi alvejado com três disparos de arma de fogo. Ele ainda tentou voltar para o seu veículo e buscar socorro, mas não resistiu à gravidade dos ferimentos e caiu, vindo a óbito.

 

Logo após o homicídio, equipes da 7ª DEIC passaram a investigar o caso, e pouco tempo depois, identificaram J.C.E.S como o autor dos disparos que ceifaram a vida do agricultor. Com base nas investigações, o delegado representou, junto ao Poder Judiciário, pela prisão do indivíduo, que foi concedida. Porém, o homem não foi localizado e passou a ser considerado foragido da Justiça desde o ano de 2018.

 

Investigações

Há cerca de duas semanas, os investigadores tomaram conhecimento que o foragido da Justiça estaria nas imediações da região de Porto Nacional e que se deslocava constantemente em um veículo Fiat, Pálio, de cor vinho, entre os municípios de Brejinho de Nazaré e Ipueiras. Desse modo, nesta quinta-feira, uma equipe da unidade especializada intensificou as buscas na região e em determinado momento, avistaram um automóvel com as mesmas características do que era utilizado pelo suspeito e que seguia de Fátima para Porto Nacional, através da TO 255.

 

Casal armado e perigoso

De imediato, os policiais interceptaram o veículo e reconheceram o foragido da justiça, que dirigia o carro. Após buscas no interior do automóvel, os policiais encontraram embaixo do banco do passageiro, um revólver, calibre 38, com seis munições intactas, que o homem assumiu ser seu.

Dando continuidade às buscas, os agentes localizaram dentro de um sapato feminino, um revólver calibre 32, com seis munições não deflagradas, que o condutor do carro afirmou ser de sua namorada. Desse modo, o casal foi preso em flagrante por porte irregular de arma de fogo. Conduzidos até a 11ª Central de Atendimento da Polícia Civil, de Porto Nacional, os dois foram autuados em flagrante por porte ilegal de arma de fogo. Na ocasião, o delegado plantonista também deu cumprimento ao mandado de prisão em aberto que havia contra o indivíduo, pela morte do agricultor.

 

Após a realização dos procedimentos legais cabíveis, J.C.E.S foi encaminhado para a Casa de Prisão Provisória de Porto Nacional, onde está à disposição da justiça. Z.F.B recolheu a fiança arbitrada pela autoridade policial e responderá pelo delito de porte de arma de fogo em liberdade, conforme determina a lei.

 

Para o delegado Túlio, a prisão do homem, considerado autor do crime contra o agricultor Martiliano é de suma importância. “A Polícia Civil do Tocantins nunca mediu esforços para solucionar o crime e dar uma resposta afirmativa para a sociedade, uma vez que se trata de um crime cruel, onde a vítima foi morta com vários disparos de arma de fogo e não teve chance de se defender”, ressaltou a autoridade policial.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.